Clube de Leitura

Palavras Entressonhadas

quinta-feira, 5 de março de 2015

A minha cidade

A minha cidade sabe a morangos doces
      
da Primavera.

Ninguém ignora que não é grande,

nem rica, nem elegante a minha cidade.

Mas tem esta vista marítima e um aroma deslumbrante,

de quem acorda cedo para dançar à volta dos morangueiros.

Raramente falei da minha cidade, talvez

nem goste dela, mas quando ouço as suas ondas

parecem-me música.

Reparo que também na minha cidade o mar é deslumbrante.
                                            Milene Arroteia nº17 6ºD                          

A minha cidade

A minha cidade sabe a melões 
                           
no verão.

Ninguém ignora que não é saborosa,

nem doce, nem calorosa a minha cidade.

Mas tem esta visão magnífica

de quem semeia os campos para colher os frutos.

Raramente falei da minha cidade, talvez

nem goste dela, mas quando a vejo fico radiante,

a sua natureza parece um labirinto.

Reparo também que na minha cidade os melões

são deliciosos.

Liliana, 6º D


As uvas

O meu país sabe às uvas doces

no verão

Ninguém ignora que não é bonito,

nem limpo, nem rico o meu país.

Mas tem este cheiro perfumado

de quem desperta para acordar as silvas.

Raramente falei no meu país, talvez

nem goste dele, mas quando nasce

As suas uvas parecem gomas.

Reparo que também no meu país

o rio é longo e cortado pelos barcos.
Francisco Soares, nº 7, 6º D


As laranjas

A minha cidade sabe às laranjas frescas
no verão.
Ninguém ignora que não é pequena,                  
nem interessante, nem rica a minha cidade. 
Mas tem esta brisa fresca
de quem sopra para nos refrescar.
Raramente falei da minha cidade, talvez
nem goste dela, mas quando acordo reparo como é,
os seus cães parecem pardais.
Reparo que na minha cidade a lua também é brilhante.  
                                                      Francisco Matias Nº8, 6ºD

A cidade perfeita

A minha cidade sabe às melancias fresquinhas
no verão.
Ninguém ignora que não é boa nem má,
nem forte, nem antiga a minha cidade.
Mas tem este aroma inebriante.
Nem sei se gosto dela, mas quando eu como
as suas melancias parecem-me as melhores.
Reparo que também na minha cidade o céu é deslumbrante.

Henrique Pinto, nº 11, 6º D

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Tavira

A minha cidade sabe aos morangos bravos no verão.
Ninguém ignora que não é pequena,
nem rica,nem elegante a minha cidade.
Mas tem esta voz de trovão
de quem fala alto para ser ouvido.
Raramente falei da minha cidade,talvez
nem goste dela,mas quando olho
 a minha cidade
As suas cores parecem-me o
 arco íris no céu azul.
Reparo que também na minha cidade 
o sol é quente.            

Inspirado no poema "As Amoras"  de Eugénio de Andrade, por Constança, 5º D